Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Rua General Jardim, 846 cj 41 Higienópolis, São Paulo - SP


  Telefone: +55 (11) 3231-4638   (11) 99863-5577

16. Técnica de revisão de prótese infectada do quadril – Artrose por necrose da cabeça femoral – Soltura e quebra de prótese, infecção e fratura.

Você também pode ver este tema com imagens maiores aqui:

http://revisão de prótese infectada

Resumo:

Paciente com 52 anos de idade, com quadro de artrose bilateral dos quadris, devido a necrose asséptica das cabeças femorais, com dor e incapacidade mais acentuada à esquerda, é submetido a artroplastia total do quadril E, figuras 1 e 2.

Posteriormente foi operado do quadril do lado direito. No acompanhamento apresentou soltura do componente femoral à esquerda e, em fevereiro de 2008, ocorreu quebra da haste. Em maio foi realizada a primeira revisão, com nova prótese utilizandi colo longo e haste curta,  figuras 3 e 4.

Novas complicações acontecem,  figuras 5 à 8.

Em fevereiro de 2010 ocorre soltura da haste femoral longa, nova revisão com placa, tela, enxerto homólogo e placa reforçada. Infecção com fístula ativa e novas solturas, agora com o paciente apresentando diabetes, figuras 9 à 12.

De 2010 à 2014 o paciente submeteu-se a limpezas cirúrgicas e antibioticoterapia sistêmica, com acompanhamento de infectologista, em sucessivas internações, visando conseguir o controle da infecção para uma revisão em dois tempos cirúrgicos.

Em março de 2014, avaliamos o paciente e analisamos o caso.

Indicamos a revisão em um tempo único, ressecando o segmento proximal em bloco, com prótese, placa, parafusos, telas, arames, enxertos, sequestros e tecidos necrótico, como se fosse uma neoplasia, e substituindo por uma endoprótese não convencional de polietileno. 

Esta endoprótese nada mais é do que um espaçador, com a vantagem de preencher de imediato o espaço morto e propiciando função imediata do membro operado, figuras 13 à 15.

Radiografias do pré-operatório da revisão em um tempo cirúrgico, em abril de 2014, figuras 19 à 128.

Após o teste com a prótese de prova e a escolha dos módulos definitivos, passamos a cimentação dos componentes da endoprótese, figuras 42 à 53.

Ao redor de qualquer endoprótese ocorre a formação de uma fibrose consequente a reação de corpo estranho, resultando em espessa pseudo cápsula, formando um estojo, que praticamente isola esta endoprótese do organismo.

Os músculos e tendões, que foram inicialmente inseridos na prótese com fios de ethibond, acabam por se aderirem definitivamente nesta pseudo cápsula. Esta pseudo cápsula apresenta um revestimento de epitélio sinovial secretor de líquido, o qual acaba por revestir a endoprótese. Esta fibrose reacional da pseudo cápsula, pode atingir 5 mm de espessura.

Nas revisões e mesmo em cirurgias com grande descolamento muscular pode ocorrer aumento do espaço morto, resultando na formação de excesso deste líquido sinovial, que aumenta o ¨estojo¨ que envolve a prótese. 

Este aumento de volume, associado à fraqueza da musculatura abdutora, pode facilitar a luxação do quadril.

Em 15 maio de 2014, após um mês da cirurgia, o paciente retornou com aumento de volume da coxa, sem febre, sem calor local, com clínica de excesso de conteúdo líquido ao redor da prótese. 

Este líquido, quando em excesso, deve ser drenado. Por vezes é necessário mais de um procedimento. 

Deve ser feito com toda a assepsia, empregando-se agulha de grande calibre e esvaziando-se o máximo possível aquele conteúdo, figuras 62 à 64.

Uma nova drenagem foi realizada por punção, em 28/05/2015, após duas semanas.

O paciente já deambulava com andador e não apresentou recorrência da infecção, figuras 65 à 67.

Em Junho de 2014 realizou movimento de hiperflexão e rotação interna, ao sentar  em vaso sanitário baixo, apresentando luxação do quadril. Foi realizada redução incruenta e reorientamos novamente quanto aos movimentos que facilitam a luxação, pois apresentava uma grande hipotrofia do médio glúteo, o que dificultava ainda mais a estabilização da prótese. 

Novo episódio de luxação em julho de 2014, após três meses da cirurgia. Realizamos manobras de redução sob radioscopia, sem necessidade de sedação e obtínhamos fácil redução e também fácil deslocamento, confirmando a incapacidade de contenção do quadril reduzido, devido à insuficiência da musculatura abdutora e a cabeça femoral que utilizamos, de tamanho pequeno, figuras 65 à 67.

Não havíamos trocado o acetábulo na cirurgia anterior, mantendo uma cabeça menor que era a medida do acetábulo anterior, o que também poderia estar contribuindo para a instabilidade.

Decidimos por re-intervenção com substituição do acetábulo para um módulo constrito, empregando também uma cabeça maior.

O paciente evoluiu bem, sem intercorrência, sendo avaliado após um ano, figuras 83 à 86.

Até a presente data de 02 de abril de 2017, o paciente encontra-se bem, deambulando com discreta claudicação devido ao trendelemburg, sem nenhuma intercorrência, após três anos da ultima cirurgia.

Post: 2017/04/02

_____________________________________________

          Autor : Prof. Dr. Pedro Péricles Ribeiro Baptista

                      Oncocirurgia Ortopédica do Instituto do Câncer Dr. Arnaldo Vieira de Carvalho                   

Consultório: Rua General Jardim, 846 – Cj 41  –  Cep: 01223-010   Higienópolis  São Paulo – S.P.

                       Fone:+55 11 3231-4638  Cel:+55 11 99863-5577  Email: drpprb@gmail.com

_______________________________________________

 

 

 

4 Comentários
  1. Responder
    Saulo Jánuario Pereira

    Boa tarde Dr. Pedro meus parabéns pelo trabalho feito.

    sou fisioterapeuta em Fóz do Iguaçu Paraná,estou atendendo uma paciente, 72 anos com recidiva de artroplastia de quadril esquerdo.a paciente encontra-se com contaminação da prótese,tenho algumas duvidas,gostaria saber se posso estar Inviando-lê minhas duvidas.

    obrigado .

  2. Responder
    Vitória da Silva Costa Santana

    Dr. Estou com uma irmã passando por essa situação. Ela faz hemodiálise a 12 anos e agora está com a cabeça dos dois femus necrosados. Ela chora de dor cada vez que é tocada. Não tem remédio que alivie a dor. Estou desesperada.

    • Pergunte ao médico que acompanha sobre a provável necrose do quadril e como orienta o tratamento. Peça a ela a indicação de profissional especializado na área, caso necessário.
      Abraços

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *